HomeGenealogíaHeráldicaNobiliariaMi FamiliaAlbumEnlacesMemoriasOrígenArbolApellidos
 
 
 




Casa Cubas 

Bras Cubas

Historia de los Cubas (Alemania - USA: Texas & Pensylvannia - Brasil - Portugal - Espana - Argentina - Paraguay - Venezuela - Peru - Canada), Migracion, Personajes, Biografia, Lugar de Origen, Memorias, Vida y Obras, Resena Historica

LA VIDA DEL AUTOR FICCIOSO: BRAS CUBAS

En las postrimerias de su muerte en 1869, Bras Cubas, decidio distraerse un poco con las eternidades, y decide narrar sus memorias y revisar los hechos mas importantes de su vida. Bras Cubas:- Un autor difunto, de una familia debastada. Cuando crecio fue consentido por sus padres. De igual forma cuando cometia alguna indiscrecion, como en el episodio del Dr. Vilaza que no dejo de portarse de la misma forma. Crecio absolutamente dependiente de sus autoridades paternas, incapaz de decidir por su propia vida. O por el sustento de su amor por Sabrina, que arruino su romance por Virginia. Los movimientos principales de los personajes eran desencadenados por su padre. Cuando fallecio, otras personas pasaron a realizar esta funcion. Virgilia fue responsable por el acercamiento entre ellos, ---------------

LITERATURA DE BRAS CUBAS 

Apos a sua morte em 1869, Bras Cubas, disposto a se distrair um pouco da eternidade, decide narrar suas memorias e revisitar os fatos mais marcantes de sua vida. Bras Cubas:-

O defunto autor, nasceu em uma familia abastada. Quando crianca foi mimado pelo pai. Mesmo quando o garoto cometia alguma indiscricao, como no episodio do Dr. Vilaca, o pai nao deixa de adotar a mesma atitude. Cresceu absolutamente dependente da autoridade paterna, incapaz de decidir sua propria vida. O pai sustentou seu amor por Sabina, afastou-o dela e arrumou seu noivado com Virgilia. Os movimentos principais da personagem eram desencadeados pelo pai. Com seu falecimento, outras pessoas passam a exercer esta funcao. Virgilia e a responsavel pela aproximacao entre eles , a irma arranja-lhe uma pretendente , Quincas Borba incentiva-o e granjeia seu respeito e Cotrim encaminha-o para o serviço comunitario .

A unica oportunidade em que o personagem toma uma posicao firme diante da vida e durante a partilha dos bens de seu pai. Assim, poderia concluir-se que Bras Cubas e fraco e dependente, mas nao e isto que indica a comparacao que faz entre si e Moises . No episodio da heranca ele demonstra quanto e apegado ao dinheiro. No episodio do almocreve mostra-se mesquinho ; no episodio do embrulho mostra-se cinico ; no episodio do primo de Virgilia revela que e vingativo ; no flerte com Eugenia e no reencontro com Quincas Borba mostra-se preconceituoso. Em Coimbra entregou-se a folia e bacharelou-se, apesar de ser um aluno mediocre. A personagem sofre de disturbios psicologicos. Isola-se quando da morte da mae, sofre alucinacoes, da ouvidos ao Quincas Borba que e considerado louco pelo alienista. Em varias oportunidades a narrativa Bras Cubas deixa antever que diante da frustracao tende a fuga para obter satisfacao.

Alem disto, demonstra pavor da morte e uma especial preferencia por metaforas funebres. Entretanto, tratando-se de um defunto autor, nao podemos deixar de levantar duas hipoteses:- a) a personalidade deturpada de Bras Cubas e retratada fielmente ao longo da narrativa; b) os caracteres de sua personalidade descritos ao longo da obra nao passam de uma artimanha do morto para esconder dos leitores seus defeitos. Afinal de contas, Bras Cubas nao e tao fragil quanto parece. Compara-se a Moises e sustentou um caso amoroso com a esposa do amigo por bastante tempo. Alias, a presenca de Virgilia no enterro, a visita pouco antes da morte da personagem, sugere a possibilidade de que o caso arrastou-se ate seu falecimento. Os problemas psicologicos podem muito bem ser uma desculpa inventada pelo morto para justificar suas acoes enquanto estava vivo. Bras Cubas e instavel, mas suas acoes seguem quase sempre o mesmo padrao. Quando era criança matava aula em companhia de Quincas Borba , ja adulto entrega-se a folia ao inves de dedicar-se a Universidade. Assim, pode ser considerado uma personagem limite (tem caracteres personagem redonda e tipo). ---------------

Bras Cubas, ja falecido, conta, do outro mundo, as suas memorias: Expirei em 1869, na minha bela chacara de Catumbi. Tinha uns sessenta e quatro anos, rijos e prosperos, era solteiro, possuia trezentos contos e fui acompanhado ao cemiterio por onze amigos. Galhofando dos ascendentes, fala da propria genealogia. Assevera que morreu de pneumonia apanhada quando trabalhava num invento farmaceutico, um emplastro medicamentoso. Virgilia, sua ex-amante, que ja nao via ha alguns anos, visitou-o nos ultimos dias de vida. Narra Bras Cubas um delirio que teve durante a agonia: montado num hipopotamo foi arrebatado por uma extensa e gelada planicie, ate o alto de uma montanha, de onde divisa a sucessao dos seculos.

Alem dos pais, tiveram grande influencia na educacao do pequeno Bras Cubas tres pessoas: tio Joao, homem de lingua solta e vida galante; tio ldefonso, conego, piedoso, e severo; Dona Emerenciana, tia materna, que viveu pouco tempo. Bras passou uma infancia de menino traquinas, mimado demasiadamente pelo pai. Aos dezessete anos apaixona-se por Marcela, dama espanhola, com quem teve as primeiras experiencias amorosas. Para agradar Marcela, Bras comeca a gastar demais, assumindo compromissos graves e endivida-se. Marcela gostava de joias, e Bras procurava fazer-lhe todos os gostos. Marcela amou-me, diz Bras Cubas, durante quinze meses e onze contos de reis. Quando o pai tomou conhecimento dos esbanjamentos do filho, mandou-o para a Europa: vais cursar uma Universidade, justificou. Em Coimbra, Bras segue o curso juridico e bachare-la-se. Depois, atendendo a um chamado do pai, volta ao Rio: a mae estava moribunda. E, de fato chega ao Brasil, e a mae falece. Passando uns dias na Tijuca, conhece Eugenia, moca bonita, mas com um defeito na perna que a fazia coxear um pouco. Com ela mantem um romance passageiro. O pai de Bras tem duas ambicoes para o filho: quer casa-lo e faze-lo deputado. Tudo faz para encaminha-lo no rumo do casamento e procura aumentar o circulo de amigos influentes na politica, a fim de preparar o caminho para o futuro deputado.

Assim e que Bras Cubas e apresentado ao Conselheiro Dutra, que promete ajudar ao jovem bacharel na pretendida ascensao politica. Bras nesta altura vem a conhecer Virgilia, filha do Conselheiro Dutra, pela qual se apaixona. Parecia, com isso, que os sonhos do pai sobre Bras estavam prestes a realizar-se: bem-encaminhado na politica e quase noivo. Entretanto acontece um imprevisto: surge Lobo Neves, que nao somente lhe rouba a namorada, mas também cai nas boas gracas do Conselheiro Dutra. Vendo assim preterido o filho, o pai de Bras sente-se profundamente desapontado e magoado. Veio a falecer dali a alguns meses, de um desastre. Virgilia casa-se com Lobo Neves e, pouco tempo depois, ve eleito deputado o marido. Mas, na verdade, Virgilia casara-se com Lobo por interesse, e ama realmente Bras Cubas. Virgilia e Bras principiam a encontrar-se com frequencia e, em breve, tornam-se amantes. Lobo Neves adora a esposa e nela confia inteiramente. Alias nao tinha muito tempo para observar o que se passa, ja que estava entregue totalmente a politica. Narra nesta altura Bras Cubas o encontro que teve com seu ex-colega de escola primaria, Quincas Borba, que se tornara um infeliz mendigo de rua. Depois do encontro com Quincas, Bras percebe que o maltrapilho lhe roubara o relogio. Os encontros amorosos entre Virgilia e Bras suscitam comentarios e mexericos dos vizinhos, amigos e conhecidos. Por esse motivo, Bras propoe a Virgilia a fuga para um lugar distante. Virgilia, porem, pensa no marido que a ama e na familia, e sugere uma casinha so nossa, metida num jardim, em alguma rua escondida. A ideia parece boa a Bras, que sai remoendo a proposta: uma casinha solitaria, em alguma rua escura. Virgilia e sua ex-empregada, chamada Dona Placida, se encarregam de adornar a casa e, aparentemente, quem ali reside e Dona Placida.

Ali os dois amantes se encontram sem maiores embaracos, e sem despertarem suspeitas. Sucede que, por motivos politicos, Lobo Neves e designado como presidente de uma província e, dessa, forma, tem de afastar-se com a mulher. Bras fica desesperado e pede a Virgilia que nao o abandone. Quando tudo parece sem solucao, eis que surge Lobo Neves e, para agradar ao amigo da familia, convida Bras Cubas a acompanha-lo, como secretario. Bras aceita. Os mexericos se tornam mais intensos e Cotrim, casado com Sabina, irma de Bras Cubas, procura fazer ver ao cunhado que a viagem seria uma aventura muito perigosa. Mais por supersticao do que pelos conselhos de Cotrim, Lobo Neves acaba nao aceitando mais o cargo de presidente, porque o decreto de nomeacao saira publicado no Diario Oficial num dia 13, e Lobo Neves tinha pavor do numero treze considerado um numero fatidico. Lobo Neves recebe uma carta anonima denunciando os amores da esposa com o amigo. Isso faz com que os dois amantes se mostrem mais reservados, embora continuem encontrando-se na Gamboa (onde ficava a casa de Dona Placida). Surge entao um acontecimento que vem alterar a situacao dos personagens: Lobo Neves e novamente nomeado presidente, e desta vez parte entao para o interior do pais, levando consigo a esposa. Bras procura distrair-se e esquecer a separacao. Alias, o tempo se havia escoado e, embora ainda se sentisse forte e com saude, era ja um cinquentao. A irma Sabina, que vinha procurando "arranjar" um casamento para Bras, volta a insistir em seu objetivo. A candidata, uma moca prendada, chamava-se Nha-Lolo. Mesmo sem entusiasmo, Bras aparenta interesse pela pretendente, mas Nha-Lolo vem a falecer durante uma epidemia.

O tempo vai passando. Mais por distracao do que por idealismo. Faz-se deputado e, na assembleia, vem a encontrar-se com Lobo Neves que havia voltado da provincia. Encontra-se também com Virgilia, que nao tinha a beleza antiga que o havia atraido anteriormente. Assim, por desinteresse reciproco, chegam ao fim os amores de Bras e Virgilia. Quincas Borba, o mendigo, reaparece e lhe restitui o relogio, passando a ser um freqüentador da casa de Bras. Quincas Borba estava mudado: nao era mais mendigo, recebera uma heranca de um tio em Barbacena. Virara filosofo: havia inventado uma nova teoria filosofica-religiosa, o Humanismo, e nao falava noutra coisa. O proprio Bras Cubas passa a interessar-se muito pelas teorias de Quincas Borba. Morre, por esse tempo, Lobo Neves, e Virgilia chorou com sinceridade o marido, como o havia traido com sinceridade. Tambem vem a falecer Quincas Borba, que havia enlouquecido completamente. Bras Cubas deixou este mundo pouco depois de Quincas Borba, por causa de uma molestia que apanhara quando tratava de um invento seu, denominado emplastro Quincas Borba. E o livro conclui: Ao chegar a este outro lado do misterio, achei-me com um pequeno saldo, que e a derradeira negativa deste capitulo de negativas (refere-se ao ultimo capitulo do livro): nao tive filhos, nao transmiti a nenhuma criatura o legado de nossa miseria".

Personajes: Personagens: Bras Cubas - narrador - morto aos 64 anos - "ainda prospero e rijo", fidalgo Marcela - Segundo grande amor de Bras Cubas, uma prostituta de elite, cujo amor por Bras duraria quinze meses e onze contos de reis. Virgilia - filha do comendador Dutra, segundo o pai de Bras, Bento Cubas A "Ursa Maior" amante de Bras Cubas casa-se com Lobo Neves por interesse. Quincas Borba - menino terrivel que dava tombos no paciente professor Barata, colega de escola de Bras que o encontrara mais tarde mendigo que rouba-lhe um relogio mas retorna-o ao colega apos receber uma heranca. Desenvolve a filosofia do humanismo: "Ao vencedor as batatas ao vencido odio ou compaixao". Eugenia - Filha de Eusebia e Vilaca, menina bela embora coxa. Nha Lolo - moca simploria, tinha dotes de soprano - morre de febre amarela. Cotrim - casado com Sabina, irma de Bras; ambos interesseiros Nhonho - filho de Virgilia D. Placida empregada de Virgilia confidente e protetora de sua realcao - extra conjungal Lobo Neves - casado com Virgilia, homem frio e calculista.

 

 

 

 

 

Las Memorias de Bras Cubas

Historia de los Cubas (Alemania - USA: Texas & Pensylvannia - Brasil - Portugal - Espana - Argentina - Paraguay - Venezuela - Peru - Canada), Migracion, Personajes, Biografia, Lugar de Origen, Memorias, Vida y Obras, Resena Historica

LAS MEMORIAS POSTUMAS DE BRAS CUBAS, 1881

Por Joaquim Maria Machado de Assis (Escritor prominente brasileno y novelista, Rio de Janeiro, 1839-1908) Ya de este lado del oceano, la Literatura Portuguesa y Espanola ha sostenido un pulso constante desde la epoca fundacional de la narrativa latinoamericana en la ultima parte del siglo XIX, aunque la novela brasilena nacio con mejor ventaja, con la aparicion en 1881 de las "Memorias postumas de Bras Cubas", obra del brasileno Joaquín Maria Machado de Asis que trajo de un golpe la modernidad, una valiente e ingeniosa aventura muy adelantada a su tiempo que no tuvo lugar entonces en ninguno de los otros paises latinoamericanos sometidos a la servidumbre vernacula. Machado de Assis, creo el desconcierto, como Stern un siglo antes en Inglaterra con Tristam Shandy, porque entre otras novedades, Bras Cubas cuenta su historia de gracias y desgracias desde la tumba. La reputacion mundial de Joaquim Machado de Assis, maestro clasico de la literatura brasilena, descansa tambien en otras colecciones de cuentos -sobre todo La Iglesia del diablo y El psiquiatra- y en tres novelas escritas en las postrimerias de su vida: Memorias postumas de Bras Cubas, Quincas Borba y Don Camarro. El siglo XIX tiene en Iberoamerica una voz fundamental que, siguiendo las arrogantes pautas del eurocentrismo, esta a la altura de los grandes europeos de su tiempo historico: Don Joaquin Manuel Machado de Assis, uno de los mas grandes escritores del siglo XIX en su pais, tipografo, autodidacto, academico, fundador de la Academia Brasilena de Letras y su primer presidente en 1896, escritor que fue mas alla del naturalismo, estudioso de la literatura portuguesa, especialmente de la obra de Eca de Queiroz, y, de acuerdo con algunos criticos de su epoca, "fantasioso en extremo y dueno de una imaginacion calenturienta". Abordo todos los generos: periodismo, critica literaria, poesia, cuento, novela y teatro. Sus textos han creado un universo de personajes por el cual la critica lo considera "el Balzac brasileno". Estos "defectos" constituyen lo mejor de su tematica y los grandes momentos de su estilo. Sus personajes: Iaia Garcia, Helena, Don Casmurro, Quincas Borba y el memorioso difunto, Bras Cubas, nos entregan el panorama completo de un pais en proceso de formacion, emblematizan los aspectos esenciales de su cultura y, gracias a su intransferible sustantividad, nos cuentan al oido sus propias historias y los conflictos, gozos, emociones y desasosiegos empozados en sus almas. El Memorial de Aires es un conmovedor testimonio de la viudez, de las relaciones amorosas y de la contrastada naturaleza de la vida conyugal. Es dificil encontrar en un narrador latinoamericano del siglo xix (en los del xx, salvo contadas excepciones, tampoco es facil) una combinacion armoniosa de humor y de intensidad lirica. Machado fue alcanzando esa maestria a lo largo de su vida y de sus trabajos. Por eso se le puede considerar un clasico, pues sus obras mantienen una constante frescura y sus personajes siguen viviendo y, lo que es mas notable, ofreciendo siempre nuevas facetas y diferentes lecturas. La novela "Memorias postumas de Bras Cubas" inaugura la etapa mas comprometida y menos convencional de su obra. Escrita a fines del siglo XIX, mantiene sin embargo una impactante frescura: su humor corrosivo -que a veces roza el cinismo- y su ironia resuenan en el lector del siglo XXI con la misma intensidad que si hubieran sido concebidos contemporaneamente.

THE POSTHUMOUS MEMOIRS OF BRAS CUBAS

Fans of Latin American literature will be thrilled by Oxford University Press's new translations of works by 19th-century Brazilian author Joaquim Maria Machado de Assis. His novels are both heartbreaking and comic; his limning of a colonial Brazil in flux is both perceptive and remarkably modern. The Posthumous Memoirs of Bras Cubas is written as an autobiography, a chronicle of the erotic misadventures of its narrator, Bras Cubas--who happens to be dead. In pursuit of love and progeny, Cubas rejects the women who want him and aspires to the ones who reject him. In the end, he dies unloved and without heirs, yet he somehow manages to turn this bitter pill into a victory of sorts. A 19th-century classic of Brazilian literature, Machado de Assis's 1880 novel is written as a posthumously composed memoir (according to the fictional author Bras Cubas, a superior way of writing memoirs, since a dead writer can be frank about events). Bras Cubas's life is less interesting than the book's style and structure: 160 brief chapters in which Bras Cubas comments both on his life and the novel's composition. Bras Cubas, the fictional author was a politician, writer, and celebrity who has an affair with the wife of a friend. His sister wants him to marry a shy young woman, but she dies before the wedding. A school friend preaches the gospel of a new secular religion but never writes a long-anticipated book on the subject. Meanwhile, Bras Cubas is working on a poultice to relieve melancholy. Be aware that frankness is the prime virtue of a dead man," writes the narrator of The Posthumous Memoirs of Bras Cubas. But while he may be dead, he is surely one of the liveliest characters in fiction, a product of one of the most remarkable imaginations in all of literature, Brazil's greatest novelist of the nineteenth century, Joaquim Maria Machado de Assis. By turns flippant and profound, The Posthumous Memoirs of Bras Cubas is the story of an unheroic man with half-hearted political ambitions, a harebrained idea for curing the world of melancholy, and a thousand quixotic theories unleashed from beyond the grave. It is a novel that has influenced generations of Latin American writers but remains refreshingly and unforgettably unlike anything written before or after it. Machado de Assis (1839-1908) is considered the pre-eminent writer of Brazil, and the author of Memorias Postumas de Bras Cubas, a fine example of his work.

CINEMATOGRAFIA DE BRAS CUBAS

(BASADO EN LA NOVELA DEL S. XIX DE MACHADO DE ASSIS) Few movies have been filmed about Bras Cubas. One of them is called: "Bras Cubas," (1986) R 1 hrs. 33 min. Starring: Luz Fernando Guimaraes, Bia Nunes, Ankito, Regina Case, Renato Borghi. Based on the 19th-century novel by Machado de Assis, this experimental film combines at least two realities at once -- the literary and the cinematic. In this case, characters from the novel are mixed on different levels with director Julio Bressane's own experience to produce an amusing, substantive commentary on Rio de Janeiro and its society. The end product also says a lot about the nature of filmmaking. "The Posthumous Memoirs of Bras Cubas" is a landmark of 19th century Brazilian fiction. The original Portuguese version by Joaquim Maria Machado de Assis has been rendered into an engaging English by translator Gregory Rabassa. The books hero, Bras Cubas, is a sort of lovable loser who narrates his own life from beyond the grave. The book is divided up into 160 short chapters, some less than a page long. As the story unfolds we meet a colorful cast of characters: Bras Cubas himself, his beloved Virgilia, the slave Prudencio, the strange philosopher Quincas Borba, and many more. Publicado em 1881 e considerado um dos mais notaveis romances do maior escritor brasileiro do seculo XIX, "MEMORIAS POSTUMAS DE BRAS CUBAS" chega agora as telas sob direcao de Andre Klotzel. Em rigorosa reconstituicao de epoca, "Memorias Postumas" narra a historia de Bras Cubas, homem comum que volta do tumulo para revisar sua vida. E e sob a forma de um fantasma sarcastico e bem-humorado que le revive, observa, interfere e analisa seus atos em impiedosa autocritica. Fiel ao humor, ironia, leveza e tambem a liberdade do texto machadiano, "Memorias Postumas" tem como pano de fundo os cenarios por onde circulava a elite carica no final do seculo XIX e tambem os fatosmais marcantes da historia do pais. "Memorias Postumas" traz Reginaldo Faria em duplo papel - ele e Bras Cubas na maturidade e tambem o seu fantasma, enquanto Petronio Gontijo vive Bras cubas quando jovem. Integram o elenco Vietia Rocha(Virgilia), Otavio Muller(Lobo Neves), Stepan Nercessian(Bento Cubas), Walmor Chagas(Doutor Villaça), Marcos Caruso(Quincas Borba), Debora Duboc(Dona Eusebia), e Nilda Spencer(Dona Placida). Sonia Braga, atriz convidada, interpreta Marcela, o primeiro amor de Bras Cubas. Andre Klotzel acumulou as funcoes de diretor, produtor, roteirista e montador do filme, que teve Monica Schmiedt como produtora executiva e Patrick Leblanc como produtor delegado. O filme tem diaogos de Jose Roberto Torero, direcao de fotografia de Pedro Farkas, direcao de arte de Adrian Cooper, cenografia de Roberto Mainieri e figurinos de Marjorie Gueller. As filmagens foram iniciadas em outubro de 1998, depois de oito meses de preparacao, e se desenrolaram ao longo de 12 semanas, com locacoes em Salvador, Rio de Janeiro, Sao Paulo e Coimbra, em Portugal. Uma realizacao da Cinematografica Superfilmes, em co-producao com a Lusa Filmes/Cinemate (Portugal), TV Cultura e Consórcio Europa. Representou o Brasil no Festival de Berlim de 2001, na secao Panorama.